Cativar Relação – Relações de trabalho em tempos de pandemia

Muitas relações comerciais iniciam-se pelas relações pessoais. Relações de trabalho em tempos de pandemia, idem. Cuidado com o que se exige, mas não dá em troca

por Fernando Aires

Já reparou como hoje, tudo se pede e se cobra de todos, mas nada se dá em troca? Isso ocorre em todos os momentos da vida, principalmente, nas relações comerciais.

Muita atenção se pede, mas pouca atenção se dá. Explico:

Muito cliente exige do vendedor uma atenção especial. Porém, em seu próprio negócio ou casa, ignora aos funcionários, parentes e até as observações que lhe chegam.

Atenção, respeito e sinceridade precisam ser recíprocos!

Muito amor se pede e até é cobrado, mas bem pouco ou praticamente nenhum amor se dá de volta. Exige-se qualidade, mas qual é a qualidade que você entrega em seu serviço?

Muito carinho é pedido, mas com frequência se distribui indiretas, patadas e malcriações. Muita conversa se pede, mas pouco diálogo se troca.

Muita presença se cobra, mas nunca se está por perto quando se tem a pessoa ali do lado. Muito se deseja ser ouvido, mas, cá entre nós, quem escuta alguém de verdade?

Você é capaz de ouvir quem se aproxima para perguntar ou conversar sobre qualquer coisa? É capaz de dar atenção e tentar ajudar?

Muitos dizem, “falta-me isso” ou “aquilo”, mas poucos correm atrás de recuperar e conquistar.

– Ah, me falta clientes!

Mas quando estes chegam, sobram reclamações… Isso quando não se caçoa pelas costas, fala-se mal deste e daquele que pagam o “pão nosso de cada dia”. Lamentável.

Trabalha-se tanto para manter um marketing de conteúdo atraente na internet, aos olhos do público, mas na hora de dignificar todo esse trabalho e sacrifício com postura, peca-se.

Faça do seu trabalho uma diversão!

Poucos entendem que a vida é para se acrescentar e não simplesmente tirar dos outros, esperar sempre mais do próximo. Uma relação comercial, antes de tudo, é uma relação que exige constante troca entre todas as partes.

Muitas vezes, tocar o trabalho como uma obrigação é o mesmo que fazê-lo sem amor. O publicitário Washington Olivetto, em uma de suas entrevistas, falou sobre ter feito do trabalho a sua própria diversão ao mesmo tempo.

Tente encarar da mesma forma. Trabalhe fazendo o que ama, por prazer. Trate aos outros, com o mesmo carinho que tem por quem ama.

Seja você o primeiro a oferecer o que de melhor tiver. Se o tiver. Do contrário, qual o seu valor no mundo, se aqui você só serve para receber? Que valor você entrega ao próximo?

Como esperar cativar uma relação comercial benéfica para ambas as partes, se não tivermos a capacidade de cativar as pessoas em primeiro lugar, com sinceridade e afeto?

Muitas relações comerciais iniciam-se antes de tudo, pelas relações pessoais. Cuidado com o que você exige, mas não dá em troca!

Fernando Aires é jornalista pós graduado em Marketing.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *